Voltei a ler papel!

Bruno Parodi Internet e Mídia 1 Comment

Compartilhe:

Voltei a ler papel!A semana que passou trouxe uma novidade incrível à minha vida: a volta do papel. Não sou analfabeto, mas ultimamente só tenho conseguido me dedicar a leituras triviais do dia-a-dia, muitas delas atreladas ao nosso querido e atribulado WeShow e a tudo o que o envolve. Sempre tive vários e vários livros, afinal, sempre os considerei belíssimos produtos a serem empunhados. Mas, ler que é bom, nada. E a culpa é da tecnologia, sim — pelo menos no meu caso. Até hoje, 98% do que li foi através de um monitor — veja bem, não acho isso bonito.

Aliás, pausa para um belíssimo flashback: já fui protagonista de uma matéria publicada na Superinteressante sobre viciados em internet (ela é de outubro de 2000, e, pasme, acabei de encontrá-la aqui!). A repórter mandou várias perguntas interessantes, foram lá em casa bater algumas fotos minhas abraçadas a um monitor (?) e o resultado foi curioso. Fora as frases que eu não disse com todas as letras, fui classificado como um webaholic — como eu mesmo digo lá. Apesar de tudo, acho que o trecho da própria revista a seguir livra, de certo modo, a minha cara: “Se você ficou impressionado com a rotina de Bruno Parodi, é bom ficar sabendo: ele ainda está longe de ser um caso grave de cyberdependência. Bruno passa metade do dia surfando na web, mas boa parte de suas atividades online dizem respeito aos seus negócios que, aparentemente, até agora não foram prejudicados”. Que alívio…

Apesar do parágrafo acima parecer gratuito, ele serve para ilustrar que em vez de um livro antes de dormir, acabo por embalar um notebook, pilotar um iPhone. É então que voltamos ao início, aos livros e à leitura. O episódio do dia em que bati com o carro enquanto mexia no BlackBerry rendeu frutos positivos. As pequenas rachaduras no pára-choques não foram tão miúdas e a pancada que dei no carro da frente fez o calço do motor ficar capenga. Como a peça não é tão simples de ser encontrada, o carro está parado na garagem, aguardando os reparos.

Desprovido do possante, o negócio foi começar a andar de táxi. Um dia, dois dias e já no terceiro o preço começou a pesar no bolso e, até pelo curto trajeto casa-trabalho, o ônibus pareceu uma justa opção. Apesar da falta de privacidade e as paradas em cada ponto, o ônibus é um incrível alavancador de leituras. 

Sacar um iPhone no grande veículo não é costumeiro, então é aí que entram o jornal, o livro, a revista. Depois de séculos, li a Veja por meia hora sem parar. A própria Wired, há 1 mês encostada, serviu para algo além de suporte de copo. Ah, o papel… Apesar de todas as árvores sacrificadas (sou a favor do replantio), às vezes não há pixel que substitua uma folha. Até gosto das funcionalidades de toque do iPhone, mas tem horas que não há nada como virar uma página com o dedo. 

Se eu fosse moderado talvez equilibrasse o uso da tecnologia e gadgets variados por dispositivos analógicos mais românticos. Meu carro (ou a ausência dele) me fez redescobrir o papel e uma boa leitura. Resta saber até quando isto vai. Adoraria que tivesse longa vida, mas qualquer dia o carro vai acabar voltando a funcionar, não é? 


Compartilhe:

Comments 1

  1. Pingback: Curiosidades sobre dados e data centers | Bruno Parodi.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.