O SEO mudou a mídia (e um pouco de webwriting)

In Internet e mídia by Bruno Parodi4 Comments

Compartilhe:

O SEO mudou a mídia

Desde os primórdios da internet comercial no Brasil, em 95, muito mudou e em todos os seus setores. Talvez um dos fenômenos mais evidentes está na forma com que a mídia escrita se desenvolveu para chegar até este exato momento em que você, coincidentemente, lê mais um texto online. Abaixo breves digavações sobre alguns pontos interessantes quando o assunto é a mídia escrita que consumimos especialmente na web. Acabei por dividir a história em partes pois há períodos bem particulares nesses aproximados 13 anos, que são, mais ou menos estes: 

1ª fase: tudo é novo
Lá pelos idos de 90 e poucos sequer havia um volume considerável de web sites para traçar uma análise substancial, como boa parte dos endereços transcrição conteúdo fruto de outras mídias. Na época o mercadinho (porque mercado é hoje, antes era modesto mesmo) não tinha qualquer dado confiável sobre o comportamento do tal internauta, o que fazia da web algo bem similar ao padrão de conteúdo de uma revista, no sentido do tratamento de seus (longos) textos. Tanta novidade também resultava na falta de premissas na hora de criar/formatar produtos especialmente para a internet. Ou, seja uma mídia ainda sem identidade e tentando entender para que lado iria cair. Era a fase das novidades, dos GIFs animados com chamas, nomes que vinham e voltavam e um certo fascínio com a invenção do Flash e suas aplicações. Apesar da banda estreitíssima que se tinha, um bom site não se fazia sem GIFs, contadores e até música de fundo. Aliás, tinha site que era puro imagemap!

2ª fase: tudo é novo, mas não é bem assim…
Mais um punhado de tempo e, lá pelo ano 2.000, webwriting tornou-se a palavra da moda, afinal, entendeu-se que a internet tinha suas particularidades e lidar com caracteres na tela do computador era diferente de encontrá-los estampados em papel (ou em qualquer outra mídia). Títulos mais curtos e atraentes, bullets, paginações e textos não tão extensos foram itens que pularam para a pauta de quem lidava com o mercado digitial, prontamente assimilado e praticado. Enfim, os dados e estatísticas que enfim brotavam serviam para um retorno prático aos profissionais e usuários digitais, afinal, não só apareceram pesquisas e informações a respeito dos hábitos do usuário, como passou a ser possível saber que chamada gerava mais cliques, quantos cliques cada uma teve etc. E um dado relevante nesta etapa é que tais conhecimentos e práticas estavam centralizados em jornalista e outros profissionais que lidavam com produção de conteúdo para a rede. Os GIFs sacolejantes, Flash e afins continuavam lá, mas com mais parcimônia e tantas descobertas fizeram da web um grande tubo de ensaios.

Se por um lado as métricas para acompanhamento das performances de uma chamada ou de uma página qualquer atestavam o que funcionava ou não, por outro elas incentivaram a briga por cliques e mais page views (diretamente proporcionais aos tão venerados ad views). Quem pagou a conta e o pato foi o usuário, que recebeu de presente textos curtos e enigmáticos. Quem não lembra da quantidade de “clique aqui”, “leia mais”, “veja mais”? 

3ª fase: ok, sejamos justos
A 3ª fase demorou um pouco mais a surgir — se comparada em relação ao tempo da 1ª para a 2ª. Começou a ser mais propriamente falada (e aceita) com a consolidação do Google enquanto fenômeno na reinvenção como mecanismo de busca, com um justo destaque para o algoritmo que o regia. Sua popularidade era uma bola de neve, e quanto mais falava-se sobre ele, mais visitas lhe rendiam. O movimento arregalou os olhos do já grandinho mercado, que entendeu que o Google assumiria um importante papel na canalização de visitas para qualquer endereço. E eis que chegamos no panorama que temos atualmente em vigor.

Baseados tanto na documentação oficial do Google quanto em achismos e alquimias de outros tantos, as regras que ditavam o tal algoritmo foi alvo de curiosidade, estudos e especulações. Algumas conclusões foram unânimes: “títulos são importantes, títulos são relevantes!”. E, por mais que a 2ª onda pregasse que os títulos de um texto numa página qualquer tinham que ser miúdos e até misteriosos em prol do clique, a 3ª veio com força para trazer de volta palavras importantes que antes poderiam ser suprimidas. Tudo bem que a arquitetura da informacão da tal web 2.0 é menos esprimida, mas isso não quer dizer que atualmente tenhamos uma baita oferta de espaço para se digitar em profusão.

Na outra mão, técnicas tradicionais de escrita que costumavam evitar a repetição (e monotonia) de termos, foi por água abaixo por causa do SEO, que premia a densidade moderada de uma palavra. E a partir do momento que existe a democratização do acesso à internet, é preciso esquecer que quem navega é especialista no assunto e deixar tudo muito claro, com palavras fáceis e óbvias (até mesmo para serem facilmente achadas numa busca). E, por mais que as conexões estejam ficando cada vez mais velozes, imagens e outros arquivos deram lugar a texto, puro texto.

Os blogs e a descentralização da mídia nas mãos de qualquer indivíduo alavancaram a necessidade das buscas, que passaram a orientar o usuário a encontrar o que queria frente a imensa varidade de fontes disponíveis. E, curiosamente, vimos uma incrível volta às origens com o retorno triunfal do hipertexto e seus magníficos hiperlinks. Ao invés do génerico e sacal “clique aqui” para levar o visitante para o site da padaria, o editor passou a linkar dizendo “veja aqui que máximo o site da padaria do João”. Linkar voltou a ser bom e não é mais entendido como mandar o usuário embora dos seus domínios. 

Quem acaba sendo favorecido ou punido com tudo isso é sempre o usuário. Agora ele consome conteúdo mais honesto e objetivo, sem truques e pegadinhas. Mas não só nisso. Na 3ª onda ganhou com a nova lógica do Google, que premia conteúdos frescos, afins, relevantes — seja lá o que isso quer dizer. E, a verdade seja dita, parece que está funcionando. 

Agora é aguardar até a próxima onda.


Compartilhe:

Comments

  1. perfeito !! tem alguma coisa de cíclica nisso tudo , se formos analisar com calma….

  2. Ótima análise!

    Acho que agora já estamos praticamente na quarta onda, com a profusão de sites de micro blog (com o Twitter como expoente) e com o futuro cada vez mais próximo do mobile blogging (vide a app do WP pro iPhone). Com a limitação de 140 caracteres para os micro-blogs e a a dificuldade de se digitar no celular, haverá uma mudança no webwriting.

    Aliás, sobre o Twitter, há agora a divulgação pelos blogueiros de seus posts. Uma forma nova de se avisar leitores, em substituição ao RSS. Com o Tinypaste então, vai ter gente divulgando artigos sem nem ter blog.

  3. Bruno, é isso!!

    Nós usamos textos no formato de carta de vendas em todos os nossos clientes! O resultado pode ser visto nas declarações de nossos clientes com recordes de negócios quando usam a web para Prospecção de Clientes!

    Forte Abraço!

  4. No divã…Estou numa pequeníssima canoa, navegando por mares deconhecidos. Ondas gigantes estão à minha frente,mas não sou náufraga, vim porque quis. Aliás no seu blog vim porque o Leonardo Tristão me deu a dica.
    Sinto que valores se invertem e se reinventam pela internet, algo subversivo no trato com o outro. Como disse um amigo, é uma estrada de mão dupla. Algo de escambo no ar.
    Em 40 dias (meu login estava feito para assegurar o nome) minha página no myspace teve uma espantosa visitação. Muitos convites aconteceram , e diante deles alguns amigos me dizem:cuidado, tem um monte de picaretas na área! Outros “é porque é mulher, uma hora vão querer te comer”. Mas , pô, às vezes são convites que só podem ser realizados via rede!
    Então, tem coisas do mundo real que não cabem no virtual, e vice-versa. Está sendo interessante descobrir isso.
    Por onde navegar em minha pequena canoa? Terra à vista?
    Nesse ponto é bem parecido com o mundo real, ninguém sabe bem onde vai dar, a gente faz a rede a cada instante.
    http://www.myspace.com/elaineguedes

Leave a Comment